Atuação no exterior favorece pequenos empreendimentos


27 jul 2010 - Contabilidade / Societário

Teste Grátis por 5 dias

Estudo da União Européia mostra que as empresas que operam no plano internacional geram mais empregos e são mais inovadoras

Recente estudo realizado pela Comissão Européia mostra que 25 % das pequenas e médias empresas (PME) de 27 países da União Européia (UE) exportam ou exportaram em certo momento nos três últimos anos. Aquelas que operam no plano internacional tiveram um crescimento do emprego de 7% contra 1% para as empresas sem nenhuma atividade internacional. Além disso, a internacionalização e a inovação estão estreitamente ligados: 26% das médias e pequenas empresas internacionais apresentaram produtos ou serviços novos para o seu setor em seu país, enquanto que só 8% das outras médias e pequenas empresas o fizeram. No entanto, as atividades internacionais visam principalmente os países do mercado interno europeu e só cerca de 13 % das PME da UE participam aos mercados exteriores à UE.

Em escala internacional, as médias e pequenas empresas europeias são mais ativas que as americanas ou japonesas. Isto é só uma parte das constatações do estudo sobre a internacionalização das PME europeias («Internationalisation of European SMEs»), que estabelece um mapa do nível de internacionalização das dessas empresas e coloca em evidência os principais obstáculos e vantagens da internacionalização.

Segundo Antonio Tajani, vice-presidente da Comissão Européia, responsável por Empreendedorismo e Indústria, “apesar das oportunidades que oferecem o mercado único aumentado e a globalização em geral, as pequenas e médias empresas européias permanecem em grande parte dependentes de seus mercados nacionais. Para estimular o crescimento, aumentar a competitividade e favorecer a sustentabilidade das empresas, é importante que nossas pequenas empresas melhorem seus resultados em matéria de transações comerciais trans-fronteiriças e internacionais”.

O estudo analisou 26 setores distintos. A maior porcentagem de pequenas e médias internacionalizadas é registrada nos setores do comércio atacadista, da indústria de minérios, da indústria manufatureira e do comércio de automóveis. Na categoria dos serviços, o setor da pesquisa mostra excelentes resultados. Os setores de atividade que apresentam as mais fortes proporções de pequenas e médias exportadoras são a mineração (58%), a indústria manufatureira (56%), o comércio atacadista (54%), a pesquisa (54%), o comércio de veículos/automóveis (53%), leasing/locação (39%), transportes e comunicação (39%). Há uma relação direta entre a internacionalização e a melhoria dos resultados das MPE.

Algumas das principais constatações do estudo:
- 25% das PME dos 27 países da União Européia (UE) exportam ou exportaram em algum momento ao ao longo dos últimos três anos.
- Os países parceiros são principalmente outros países dentro da UE — 76 % do conjunto das PME exportadoras são voltadas ao mercado interior (da UE).
- Existe uma relação direta entre o nível de internacionalização e o tamanho da empresa. Quanto maior a PME, mais ela é internacionalizada.
- Existe uma correlação negativa entre o número de habitantes do país de origem da PME e seu nível de atividade internacional.
- As PME internacionais criam mais empregos. As que operam no plano internacional mostram um crescimento do emprego de 7%, contra apenas 1% para as sem nenhuma atividade internacional.
- As PME internacionais são mais inovadoras: 26% das empresas ativas internacionalmente introduziram novos produtos ou serviços para o seu setor em seu país, enquanto para as outras este percentual é de apenas 8%.
- A importação é um trampolim para a exportação: as PME que são ao mesmo tempo importadoras e exportadoras começaram duas vezes mais pela importação (39%) do que pela exportação (18%).
- A maior parte das PME ignora a existência de ajudas públicas: somente 16% dentre elas conhecem os programas de ajuda pública à internacionalização e só um pequeno número recorre a isto.
- As PME europeias são mais ativas do que as americanas ou japonesas no cenário internacional e obtêm melhores resultados, mesmo se levarmos em conta unicamente as exportações extra UE.

Recomendações para uma política de ajuda em favor das PME:
- É necessário encorajar a sensibilização, promover o conhecimento e o recurso aos programas de ajuda pública.
- É necessário facilitar o acesso das microempresas às medidas de ajuda: são as que mais têm necessidade dos programas de ajuda pública e as que tirarão o maior proveito.
- Inovação e internacionalização estão estreitamente ligadas. Isto indica claramente que convém coordenar as decisões políticas que visem estimular a inovação e a internacionalização, ou seja, fazer a fusão dos departamentos responsáveis pela aplicação destes dois tipos de medidas.
- A importação é um trampolim para a exportação. Os programas de ajuda pública devem ter isto em conta.

O estudo completo pode ser encontrado em: http://ec.europa.eu/enterprise/policies/sme/files/support_measures/internationalisation/internationalisation_sme_final_en.pdf

Serviço:
Sebrae no Rio de Janeiro - (21) 2212-7700
Central de Relacionamento Sebrae - 0800-570-0800


Fonte: Sebrae/RJ