Preço do etanol dispara nas usinas


5 out 2010 - ICMS, IPI, ISS e Outros

Portal do SPED

Desde segunda-feira o consumidor está pagando mais pelo etanol hidratado e pela gasolina, que leva uma dose de álcool anidro. No sábado, os postos de São Paulo receberam o litro de álcool das distribuidoras com acréscimo de R$ 0,10 a R$ 0,12. No Rio, o aumento foi de R$ 0,20. Na gasolina, o adicional foi de R$ 0,03, informa o presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo do Estado de São Paulo, José Alberto Gouveia.

"Não há como segurar esse aumento de preço do etanol que não tem explicação, pois estamos em plena safra de cana-de-açúcar", diz Gouveia.

Na semana encerrada na última sexta-feira, o preço do etanol hidratado nas usinas, descontados os impostos, subiu 6,72%, segundo dados do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea). Foi a quinta semana de alta consecutiva. Desde fins de agosto, o preço do etanol hidratado nas usinas aumentou 17%.

A cotação do álcool anidro, que é misturado à gasolina, teve movimento semelhante: teve reajuste de 5,86% na última semana e acumula um aumento de 21,21% desde o fim de julho, a nona alta consecutiva.

Mirian Bacchi, pesquisadora da área sucroalcooleira do Cepea, atribui a elevação dos preços a três fatores. O primeiro é o fim da safra de cana, que termina em outubro. O segundo fator é o clima. As chuvas das últimas semanas atrasaram a colheita e a moagem da cana. Por fim, o grande crescimento nas vendas de veículos bicombustíveis ampliou a demanda por álcool.

As distribuidoras de combustíveis culpam as usinas pelos reajustes de preços. "Os aumentos ao consumidor refletem, provavelmente, a elevação contínua de preços do etanol nas usinas", afirma em comunicado Alisio Vaz, vice-presidente executivo do Sindicom, que representa as distribuidoras.

Procurada pelo Estado, a União da Indústria de Cana-de-açúcar (Unica) informa que o volume de cana processada nas usinas do Centro-Sul do País diminuiu 11,93% entre a segunda quinzena de setembro e os primeiro 15 dias deste mês.

Segundo a entidade, a retração na moagem da cana se deve principalmente às chuvas que, ainda que de maneira tímida e heterogênea, retornaram ao Centro-Sul.

Gasolina

Levantamento feito pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) mostra que a relação entre o preço médio do etanol e o valor médio da gasolina atingiu o nível de 58,30% em setembro. O número apurado no mês passado superou levemente os 57,8% de agosto. Também foi bem maior que o de setembro de 2009, de 54,85%.

De acordo com especialistas, o uso do álcool deixa de ser vantajoso em relação à gasolina quando o preço do derivado da cana- de-açúcar representa mais de 70% do valor da gasolina. A vantagem é calculada considerando que o poder calorífico do motor a álcool é de 70% do poder nos motores a gasolina.

Com base no levantamento realizado para apurar o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) de setembro, a Fipe detectou que o preço médio do etanol nos postos de São Paulo subiu 0,66% em setembro, ante alta de 5,38% verificada em agosto.

A gasolina, por sua vez, ficou praticamente estável, com uma variação positiva de 0,01% em setembro, ante alta de 0,34%, em agosto. No mesmo período de apuração, a inflação geral medida pelo IPC-Fipe subiu 0,53% em São Paulo. Em agosto, o IPC teve variação 0,17%.


Fonte: Agência Estado