Lei nº 8.977 de 06/01/1995


 Publicado no DOU em


Dispõe sobre o Serviço de TV a Cabo e dá outras providências.


Portal do ESocial

O Presidente da República

Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

CAPÍTULO I
DOS OBJETIVOS E DEFINIÇÕES

Art. 1º. (Revogado pela Lei nº 12.485, de 12.09.2011, DOU 13.09.2011 )

Art. 2º. (Revogado pela Lei nº 12.485, de 12.09.2011, DOU 13.09.2011 )

Art. 3º. (Revogado pela Lei nº 12.485, de 12.09.2011, DOU 13.09.2011 )

Art. 4º. (Revogado pela Lei nº 12.485, de 12.09.2011, DOU 13.09.2011 )

Art. 5º. (Revogado pela Lei nº 12.485, de 12.09.2011, DOU 13.09.2011 )

CAPÍTULO II
DA COMPETÊNCIA

Art. 6º. (Revogado pela Lei nº 12.485, de 12.09.2011, DOU 13.09.2011 )

Art. 7º. (Revogado pela Lei nº 12.485, de 12.09.2011, DOU 13.09.2011 )

Art. 8º. (Revogado pela Lei nº 12.485, de 12.09.2011, DOU 13.09.2011 )

Art. 9º. (Revogado pela Lei nº 12.485, de 12.09.2011, DOU 13.09.2011 )

Art. 10. (Revogado pela Lei nº 12.485, de 12.09.2011, DOU 13.09.2011 )

CAPÍTULO III
DA OUTORGA

Art. 11. (Revogado pela Lei nº 12.485, de 12.09.2011, DOU 13.09.2011 )

Art. 12. (Revogado pela Lei nº 12.485, de 12.09.2011, DOU 13.09.2011 )

Art. 13. (Revogado pela Lei nº 12.485, de 12.09.2011, DOU 13.09.2011 )

Art. 14. (Revogado pela Lei nº 12.485, de 12.09.2011, DOU 13.09.2011 )

Art. 15. (Revogado pela Lei nº 12.485, de 12.09.2011, DOU 13.09.2011 )

CAPÍTULO IV
DA INSTALAÇÃO DO SERVIÇO

Art. 16. (Revogado pela Lei nº 12.485, de 12.09.2011, DOU 13.09.2011 )

Art. 17. (Revogado pela Lei nº 12.485, de 12.09.2011, DOU 13.09.2011 )

Art. 18. (Revogado pela Lei nº 12.485, de 12.09.2011, DOU 13.09.2011 )

Art. 19. (Revogado pela Lei nº 12.485, de 12.09.2011, DOU 13.09.2011 )

Art. 20. (Revogado pela Lei nº 12.485, de 12.09.2011, DOU 13.09.2011 )

Art. 21. (Revogado pela Lei nº 12.485, de 12.09.2011, DOU 13.09.2011 )

Art. 22. (Revogado pela Lei nº 12.485, de 12.09.2011, DOU 13.09.2011 )

CAPÍTULO V
DA OPERAÇÃO DO SERVIÇO

Art. 23. A operadora de TV a Cabo, na sua área de prestação do serviço, deverá tornar disponíveis canais para as seguintes destinações:

I - Canais Básicos de Utilização Gratuita:

a) canais destinados à distribuição obrigatória, integral e simultânea, sem inserção de qualquer informação, da programação das emissoras geradoras locais de radiodifusão de sons e imagens, em VHF ou UHF, abertos e não codificados, cujo sinal alcance a área do serviço de TV a Cabo e apresente nível técnico adequado, conforme padrões estabelecidos pelo Poder Executivo;

b) um canal legislativo municipal/estadual, reservado para o uso compartilhado entre as Câmaras de Vereadores localizadas nos municípios da área de prestação do serviço e a Assembléia Legislativa do respectivo Estado, sendo o canal voltado para a documentação dos trabalhos parlamentares, especialmente a transmissão ao vivo das sessões;

c) um canal reservado para a Câmara dos Deputados, para a documentação dos seus trabalhos, especialmente a transmissão ao vivo das sessões;

d) um canal reservado para o Senado Federal, para a documentação dos seus trabalhos, especialmente a transmissão ao vivo das sessões;

e) um canal universitário, reservado para o uso compartilhado entre as universidades localizadas no município ou municípios da área de prestação do serviço;

f) um canal educativo cultural, reservado para utilização pelos órgãos que tratam de educação e cultura no governo federal e nos governos estadual e municipal com jurisdição sobre a área de prestação do serviço;

g) um canal comunitário aberto para utilização livre por entidades não governamentais e sem fins lucrativos;

h) um canal reservado ao Supremo Tribunal Federal, para a divulgação dos atos do Poder Judiciário e dos serviços essenciais à Justiça; (NR) (Alínea acrescentada pela Lei nº 10.461, de 17.05.2002, DOU 20.05.2002 )

II - Canais Destinados à Prestação Eventual de Serviço;

III - Canais Destinados à Prestação Permanente de Serviços.

§ 1º. A programação dos canais previstos nas alíneas c e d do inciso I deste artigo poderá ser apresentada em um só canal, se assim o decidir a Mesa do Congresso Nacional.

§ 2º. Nos períodos em que a programação dos canais previstos no inciso I deste artigo não estiver ativa, poderão ser programadas utilizações livres por entidades sem fins lucrativos e não governamentais localizadas nos municípios da área de prestação do serviço.

§ 3º. As condições de recepção e distribuição dos sinais dos canais básicos, previstos no inciso I deste artigo, serão regulamentadas pelo Poder Executivo.

§ 4º. As geradoras locais de TV poderão, eventualmente, restringir a distribuição dos seus sinais, prevista na alínea a do inciso I deste artigo, mediante notificação judicial, desde que ocorra justificado motivo e enquanto persistir a causa.

§ 5º. Simultaneamente à restrição do parágrafo anterior, a geradora local deverá informar ao Poder Executivo as razões da restrição, para as providências de direito, cabendo apresentação de recurso pela operadora.

§ 6º. O Poder Executivo estabelecerá normas sobre a utilização dos canais previstos nos incisos II e III deste artigo, sendo que:

I - serão garantidos dois canais para as funções previstas no inciso II;

II - trinta por cento dos canais tecnicamente disponíveis serão utilizados para as funções previstas no inciso III, com programação de pessoas jurídicas não afiliadas ou não coligadas à operadora de TV a Cabo.

§ 7º. Os preços e as condições de remuneração das operadoras, referentes aos serviços previstos nos incisos II e III, deverão ser compatíveis com as práticas usuais de mercado e com os custos de operação, de modo a atender as finalidades a que se destinam.

§ 8º. A operadora de TV a Cabo não terá responsabilidade alguma sobre o conteúdo da programação veiculada nos canais referidos nos incisos I, II e III deste artigo, nem estará obrigada a fornecer infra-estrutura para a produção dos programas.

§ 9º. O Poder Executivo normatizará os critérios técnicos e as condições de uso nos canais previstos nas alíneas a a g deste artigo.

Art. 24. Excluídos os canais referidos nos incisos I, II e III do art. 23, os demais canais serão contratados livremente pela operadora de TV a Cabo à empacotadora ou programadora de sua escolha. (NR) (Redação dada ao artigo pela Lei nº 12.485, de 12.09.2011, DOU 13.09.2011 )

Art. 25. Qualquer pessoa jurídica, no gozo de seus direitos, estará habilitada a contratar, junto às operadoras, a distribuição de sinais de vídeo destinados à prestação eventual ou permanente do serviço de TV a Cabo, previstos nos inciso II e III do artigo 23, responsabilizando-se integralmente pelo conteúdo das emissões.

§ 1º. Os canais destinados à prestação eventual ou permanente de serviços serão ofertados publicamente pelas concessionárias de TV a Cabo.

§ 2º. Sempre que a procura exceder a oferta, a seleção de interessados na utilização dos canais previstos nos incisos II e III do artigo 23 dar-se-á por decisão da operadora, justificadamente, com base em critérios que considerem a garantia do direito de expressão e o exercício da livre concorrência, bem como a gestão de qualidade e eficiência econômica da rede.

§ 3º. Os contratos referentes à utilização dos canais previstos nos incisos II e III do artigo 23 ficarão disponíveis para consulta de qualquer interessado.

§ 4º. Qualquer pessoa que se sinta prejudicada por prática da concessionária de telecomunicações ou da operadora de TV a Cabo ou por condições que impeçam ou dificultem o uso de canais ou do serviço, poderá representar ao Poder Executivo, que deverá apreciar o assunto no prazo máximo de trinta dias, podendo convocar audiência pública se julgar necessário.

Art. 26. O acesso, como assinante, ao serviço de TV a Cabo é assegurado a todos os que tenham suas dependências localizadas na área de prestação do serviço, mediante o pagamento pela adesão, e remuneração pela disponibilidade e utilização do serviço.

§ 1º. O pagamento pela adesão e pela disponibilidade do serviço de TV a Cabo assegurará ao assinante o direito de acesso à totalidade dos canais básicos previstos no inciso I do artigo 23.

§ 2º. A infra-estrutura adequada ao transporte e distribuição de sinais de TV, na prestação do serviço de TV a Cabo, deverá permitir, tecnicamente, a individualização do acesso de assinantes a canais determinados.

CAPÍTULO VI
DA TRANSFERÊNCIA DA CONCESSÃO

Art. 27. (Revogado pela Lei nº 12.485, de 12.09.2011, DOU 13.09.2011 )

Art. 28. (Revogado pela Lei nº 12.485, de 12.09.2011, DOU 13.09.2011 )

Art. 29. (Revogado pela Lei nº 12.485, de 12.09.2011, DOU 13.09.2011 )

CAPÍTULO VII
DOS DIREITOS E DEVERES

Art. 30. A operadora de TV a Cabo poderá:

I - transmitir sinais ou programas produzidos por terceiros, editados ou não, bem como sinais ou programas de geração própria;

II - cobrar remuneração pelos serviços prestados;

III - codificar os sinais;

IV - veicular publicidade;

V - co-produzir filmes nacionais, de produção independente, com a utilização de recursos de incentivos fiscais previstos na Lei nº 8.685, de 21 de julho de 1993, e outras legislações.

Parágrafo único. O disposto no inciso I deste artigo não exime a operadora de TV a Cabo de observar a legislação de direito autoral.

Art. 31. A operadora de TV a Cabo está obrigada a:

I - realizar a distribuição dos sinais de TV em condições técnicas adequadas;

II - não recusar, por discriminação de qualquer tipo, o atendimento a clientes cujas dependências estejam localizadas na área de prestação do serviço;

III - observar as normas e regulamentos relativos ao serviço;

IV - exibir em sua programação filmes nacionais, de produção independente, de longa-metragem, média-metragem, curta-metragem e desenho animado, conforme definido em regulamento a ser baixado pelo Poder Executivo, resguardada a segmentação das programações;

V - garantir a interligação do cabeçal à rede de transporte de telecomunicações.

Art. 32. A concessionária de telecomunicações está obrigada a realizar o transporte de sinais de TV em condições técnicas adequadas.

Art. 33. São direitos do assinante do serviço de TV a Cabo:

I - conhecer, previamente, o tipo de programação a ser oferecida;

II - receber da operadora de TV a Cabo os serviços de instalação e manutenção dos equipamentos necessários à recepção dos sinais.

Art. 34. São deveres dos assinantes:

I - pagar pela assinatura do serviço;

II - zelar pelos equipamentos fornecidos pela operadora.

Art. 35. Constitui ilícito penal a interceptação ou a recepção não autorizada dos sinais de TV a Cabo.

CAPÍTULO VIII
DA RENOVAÇÃO DE CONCESSÃO

Art. 36. (Revogado pela Lei nº 12.485, de 12.09.2011, DOU 13.09.2011 )

Art. 37. (Revogado pela Lei nº 12.485, de 12.09.2011, DOU 13.09.2011 )

CAPÍTULO IX
DA PROTEÇÃO AO SERVIÇO DE RADIODIFUSÃO

Art. 38. (Revogado pela Lei nº 12.485, de 12.09.2011, DOU 13.09.2011 )

CAPÍTULO X
DAS INFRAÇÕES E PENALIDADES

Art. 39. (Revogado pela Lei nº 12.485, de 12.09.2011, DOU 13.09.2011 )

Art. 40. (Revogado pela Lei nº 12.485, de 12.09.2011, DOU 13.09.2011 )

Art. 41. (Revogado pela Lei nº 12.485, de 12.09.2011, DOU 13.09.2011 )

CAPÍTULO XI
DAS DISPOSIÇÕES TRANSITÓRIAS

Art. 42. (Revogado pela Lei nº 12.485, de 12.09.2011, DOU 13.09.2011 )

Art. 43. (Revogado pela Lei nº 12.485, de 12.09.2011, DOU 13.09.2011 )

Art. 44. (Revogado pela Lei nº 12.485, de 12.09.2011, DOU 13.09.2011 )

Art. 45. (Revogado pela Lei nº 12.485, de 12.09.2011, DOU 13.09.2011 )

Art. 46. (Revogado pela Lei nº 12.485, de 12.09.2011, DOU 13.09.2011 )

Brasília, 06 de janeiro de 1995; 174º da Independência e 107º da República.

FERNANDO HENRIQUE CARDOSO

Sérgio Motta