Convênio ICMS Nº 81 DE 10/09/1993


 Publicado no DOU em 15 set 1993


Estabelece normas gerais a serem aplicadas a regimes de substituição tributária, instituídos por Convênios ou Protocolos firmados entre os Estados e o Distrito Federal.


Portal do SPED

(Revogado pelo Convênio ICMS Nº 52 DE 07/04/2017):

O Ministro da Fazenda e os Secretários de Fazenda, Economia ou Finanças dos Estados e do Distrito Federal, na 71ª reunião ordinária do Conselho Nacional de Política Fazendária, realizada em Fortaleza, CE, no dia 10 de setembro de 1993, tendo em vista o disposto no parágrafo único do art. 25 do Anexo único do Convênio ICM 66/88, de 14 de dezembro de 1988, e nos arts. 102 e 199 do Código Tributário Nacional (Lei nº 5.172, de 25 de outubro de 1966), resolvem, na forma da Lei Complementar nº 24, de 7 de janeiro de 1975, celebrar o seguinte:

CONVÊNIO

1 - Cláusula primeira. Aos Convênios e Protocolos a serem firmados entre os Estados e/ou Distrito Federal, concernentes ao Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação ICMS, que estabeleçam o regime de substituição tributária, aplicar-se-ão os procedimentos consignados neste Convênio, ressalvado o disposto na cláusula décima quarta.

2 - Cláusula segunda. Nas operações interestaduais realizadas por contribuinte com as mercadorias a que se referem os correspondentes Convênios ou Protocolos, a ele fica atribuída à responsabilidade pela retenção e recolhimento do imposto em favor do Estado destinatário, na qualidade de sujeito passivo por substituição, mesmo que o imposto já tenha sido retido anteriormente.

3 - Cláusula terceira. Nas operações interestaduais, com mercadorias já alcançadas pela substituição tributária, o ressarcimento do imposto retido na operação anterior deverá ser efetuado pelo contribuinte mediante emissão de nota fiscal eletrônica, exclusiva para esse fim, em nome de qualquer estabelecimento inscrito como substituto tributário que seja fornecedor do contribuinte substituído. (Redação do caput da cláusula dada pelo Convênio ICMS Nº 93 DE 23/09/2016, efeitos a partir de 01/11/2016).

§ 1º O estabelecimento fornecedor de posse da nota fiscal de que trata o caput desta cláusula, visada na forma do § 5º poderá deduzir o valor do imposto retido, do próximo recolhimento à unidade federada do contribuinte que tiver direito ao ressarcimento.

§ 2º Em substituição a sistemática prevista nesta cláusula, ficam os Estados e o Distrito Federal autorizados a estabelecer forma diversa de ressarcimento.

§ 3º O valor do ICMS retido por substituição tributária a ser ressarcido, não poderá ser superior ao valor retido quando da aquisição do respectivo produto pelo estabelecimento.

§ 4º Quando for impossível determinar a correspondência do ICMS retido à aquisição do respectivo produto, tomar-se-á o valor do imposto retido quando da última aquisição do produto pelo estabelecimento proporcional à quantidade saída.

§ 5º A nota fiscal emitida para fim de ressarcimento deverá ser visada pelo órgão fazendário em cuja circunscrição localiza-se o contribuinte acompanhado, de relação discriminando as operações interestaduais.

§ 6º A critério do fisco de cada unidade federada, a relação prevista no parágrafo anterior poderá ser apresentada em meio magnético.

§ 7º As cópias das GNR relativas às operações interestaduais que geraram o direito ao ressarcimento serão apresentadas ao órgão fazendário em cuja circunscrição localiza-se contribuinte, no prazo máximo de 10 (dez) dias após o pagamento;

§ 8º Na falta de cumprimento do disposto no parágrafo anterior, os órgãos fazendários não deverão visar nenhuma outra nota fiscal de ressarcimento do contribuinte omisso, até que se cumpra o exigido. (Redação dada à cláusula pelo Convênio ICMS nº 56, de 23.05.1997, DOU 30.05.1997)

§ 1º O estabelecimento que efetuou a primeira retenção poderá deduzir, do próximo recolhimento à unidade da Federação de origem, a importância do imposto retido a que se refere o parágrafo anterior, desde que disponha do documento ali mencionado.

§ 2º Em substituição à sistemática prevista nesta cláusula, ficam os Estados e o Distrito Federal autorizados a estabelecer forma diversa de ressarcimento."

4 - Cláusula quarta. No caso de desfazimento do negócio, se o imposto retido houver sido recolhido, aplica-se o disposto na cláusula terceira, dispensando-se a apresentação da relação de que trata os §§ 5º e 6º e o cumprimento do disposto no § 7º (Redação dada à cláusula pelo Convênio ICMS nº 56, de 23.05.1997, DOU 30.05.1997).

5 - Cláusula quinta. A substituição tributária não se aplica:

I às operações que destinem mercadorias a sujeito passivo por substituição da mesma mercadoria. (Redação dada ao inciso pelo Convênio ICMS nº 96, de 11.12.1995, DOU 13.12.1995)

II - às transferências para outro estabelecimento, exceto varejista, do sujeito passivo por substituição, hipótese em que a responsabilidade pela retenção e recolhimento do imposto recairá sobre o estabelecimento que promover a saída da mercadoria com destino a empresa diversa.

Parágrafo único. Sujeito passivo por substituição é aquele definido como tal no protocolo ou convênio que trata do regime de substituição tributária aplicável à mercadoria. (Parágrafo acrescentado pelo Convênio ICMS nº 114, de 12.12.2003, DOU 17.12.2003, com efeitos a partir de 01.01.2004)

6 - Cláusula sexta. O imposto retido pelo sujeito passivo por substituição deverá ser recolhido por meio da Guia Nacional de Recolhimento de Tributos Estaduais GNR, em agência do banco oficial da unidade federada destinatária, ou na sua falta, em agência de qualquer banco oficial signatário do Convênio patrocinado pela Associação Brasileira dos Bancos Comerciais Estaduais - ASBACE, localizada na praça do estabelecimento remetente, em conta especial, a crédito do Governo em cujo território se encontra estabelecido o adquirente das mercadorias, ou, ainda, na falta deste, em agência de banco credenciado pela unidade federada interessada. (Redação dada ao caput pelo Convênio ICMS nº 27, de 04.04.1995, DOU 07.04.1995, com efeitos a partir da ratificação nacional)

§ 1º Os bancos deverão repassar os valores arrecadados, na forma estabelecida em Convênio específico, desde que a partir de 1º de novembro de 1993 os recursos estejam disponíveis ao Estado beneficiário até o terceiro dia útil após o efetivo recolhimento. (Parágrafo renumerado pelo Convênio ICMS nº 78, de 13.09.1996, DOU 20 e 23.09.1996)

§ 2º Deverá ser utilizada Guia Nacional de Recolhimento de Tributos Estaduais GNR especifica para cada Convênio ou Protocolo, sempre que o sujeito passivo por substituição operar com mercadorias sujeitas ao regime de substituição tributária regido por normas diversas. (Parágrafo acrescentado pelo Convênio ICMS nº 78, de 13.09.1996, DOU 20 e 23.09.1996)

7 - Cláusula sétima. Poderá ser concedida ao sujeito passivo por substituição definido em Protocolo e Convênio específico inscrição no cadastro da Secretaria da Fazenda, Finanças ou Tributação da unidade da Federação destinatária das mercadorias, mediante remessa dos seguintes documentos: (Redação dada ao caput pelo Convênio ICMS nº 114, de 12.12.2003, DOU 17.12.2003, com efeitos a partir de 01.01.2004)

I - requerimento solicitando sua inscrição no cadastro de contribuinte do Estado;

II - cópia autenticada do instrumento constitutivo da empresa devidamente atualizado e, quando se tratar de sociedade por ações, também da ata da última assembléia de designação ou eleição da diretoria; (Redação dada ao inciso pelo Convênio ICMS nº 50, de 28.06.1995, DOU 30.06.1995)

III - cópia do documento de inscrição no Cadastro Geral de Contribuintes do Ministério da Fazenda (CGC/MF);

IV - cópia do CIC e RG do representante legal, procuração do responsável, certidão negativa de tributos estaduais e cópia do cadastro do ICMS. (Redação dada ao inciso pelo Convênio ICMS nº 50, de 28.06.1995, DOU 30.06.1995)

V - registro ou autorização de funcionamento expedido por órgão competente pela regulação do respectivo do setor de atividade econômica; (Inciso acrescentado pelo Convênio ICMS nº 146, de 13.12.2002, DOU 19.12.2002, com efeitos a partir de 01.01.2003)

VI - declaração de imposto de renda dos sócios nºs 03 (três) últimos exercícios; (Inciso acrescentado pelo Convênio ICMS nº 146, de 13.12.2002, DOU 19.12.2002, com efeitos a partir de 01.01.2003)

VII - outros documentos previstos na legislação da unidade da federação de destino. (Inciso acrescentado pelo Convênio ICMS nº 146, de 13.12.2002, DOU 19.12.2002, com efeitos a partir de 01.01.2003)

§ 1º O número de inscrição a que se refere esta cláusula deve ser aposto em todos os documentos dirigidos à unidade da Federação de destino, inclusive no de arrecadação.

§ 2º Se não for concedida a inscrição ao sujeito passivo por substituição ou esse não providenciá-la nos termos desta cláusula, deverá ele efetuar o recolhimento do imposto devido ao Estado destinatário, em relação a cada operação, por ocasião da saída da mercadoria de seu estabelecimento por meio de GNRE, devendo uma via acompanhar o transporte da mercadoria. (Redação dada ao parágrafo pelo Convênio ICMS nº 114, de 12.12.2003, DOU 17.12.2003, com efeitos a partir de 01.01.2004)

§ 3º No caso previsto no parágrafo anterior, deverá ser emitida uma GNRE distinta para cada um dos destinatários, constando no campo informações complementares o número da nota fiscal a que se refere o respectivo recolhimento. (Parágrafo acrescentado pelo Convênio ICMS nº 95, de 28.09.2001, DOU 04.10.2001)

§ 4º A exigência prevista no inciso VI poderá ser dispensada a critério de cada unidade da federação. (Parágrafo acrescentado pelo Convênio ICMS nº 111, de 06.10.2006, DOU 11.10.2006)

8 - Cláusula oitava. O sujeito passivo por substituição observará as normas da legislação da unidade da Federação de destino da mercadoria.

9 - Cláusula nona. A fiscalização do estabelecimento responsável pela retenção do imposto será exercida, conjunta ou isoladamente, pelas unidades da Federação envolvidas nas operações, condicionando-se a do Fisco da unidade da Federação de destino a credenciamento prévio na Secretaria da Fazenda, Economia ou Finanças da unidade federada do estabelecimento a ser fiscalizado.

Parágrafo único. O credenciamento prévio previsto nesta cláusula será dispensado quando a fiscalização for exercida sem a presença física da autoridade fiscal no local do estabelecimento a ser fiscalizado. (Parágrafo acrescentado pelo Convênio ICMS nº 16, de 24.03.2006, DOU 29.03.2006, com efeitos a partir da ratificação nacional)

10 - Cláusula décima. Constatado o não recolhimento do ICMS por parte do sujeito passivo por substituição, a unidade da Federação de destino da mercadoria poderá suspender a aplicação do respectivo Convênio ou Protocolo, em relação ao inadimplente, enquanto perdurar a situação, sujeitando-se a exigência do imposto às regras da legislação da unidade da Federação credora.

Parágrafo único. A unidade da Federação destinatária poderá, em substituição à suspensão do acordo previsto no caput, exigir o pagamento do imposto na saída da mercadoria do estabelecimento remetente, que deverá ser acompanhada da 3ª via da GNR. (Parágrafo acrescentado pelo Convênio ICMS nº 27, de 04.04.1995, DOU 07.04.1995, com efeitos a partir da ratificação nacional)

11 - Cláusula décima primeira. Constitui crédito tributário da unidade federada de destino, o imposto retido, bem como a correção monetária, multa, juros de mora e demais acréscimos legais com ele relacionados.

12 - Cláusula décima segunda. A nota fiscal emitida pelo sujeito passivo por substituição conterá, além das indicações exigidas pela legislação, o valor que serviu de base de cálculo para a retenção e o valor do imposto retido.

§ 1º (Revogado pelo Convênio ICMS nº 19, de 29.03.1994, DOU 05.04.1994)

§ 2º A inobservância do disposto no caput implica exigência do imposto nos termos que dispuser a legislação da unidade federada de destino.

13 - Cláusula décima terceira. O estabelecimento que efetuar retenção do imposto remeterá à Secretaria de Fazenda, Finanças ou Tributação das unidades da Federação de destino, mensalmente: (Redação dada ao caput pelo Convênio ICMS nº 108, de 11.12.1998, DOU 17.12.1998)

I - arquivo magnético com registro fiscal das operações interestaduais efetuadas no mês anterior, ou com seus registros totalizadores zerados, no caso de não terem sido efetuadas operações no período, inclusive daquelas não alcançadas pelo regime de substituição tributária, em conformidade com a cláusula oitava do Convênio ICMS 57/95, de 28 de junho de 1995, até o dia 15 (quinze) do mês subseqüente ao da realização das operações; (Redação dada ao inciso pelo Convênio ICMS nº 31, de 18.06.2004, DOU 24.06.2004, com efeitos a partir da ratificação nacional)

II - Guia Nacional de Informação e Apuração do ICMS - Substituição Tributária, em conformidade com a cláusula oitava do Ajuste SINIEF 04/93, de 09 de dezembro de 1993. (Redação dada ao inciso pelo Convênio ICMS nº 108, de 11.12.1998, DOU 17.12.1998)

§ 1º (Revogado pelo Convênio ICMS nº 31, de 18.06.2004, DOU 24.06.2004, com efeitos a partir da ratificação nacional)

§ 2º O arquivo magnético previsto nesta cláusula substitui o exigido pela cláusula oitava do Convênio ICMS 57/95, de 28 de junho de 1995, desde que inclua todas as operações citadas na referida cláusula, mesmo que não realizadas sob o regime de substituição tributária. (Redação dada ao parágrafo pelo Convênio ICMS nº 114, de 12.12.2003, DOU 17.12.2003, com efeitos a partir de 01.01.2004)

§ 3º O sujeito passivo por substituição não poderá utilizar, no arquivo magnético referido no parágrafo anterior, sistema de codificação diverso da Nomenclatura Brasileira de Mercadorias/Sistema Harmonizado - NBM/SH, exceto para os veículos automotores, em relação aos quais utilizar-se-á o código do produto estabelecido pelo industrial ou importador. (Redação dada ao parágrafo pelo Convênio ICMS nº 78, de 13.09.1996, DOU 20.09.1996 e 23.09.1996)

§ 4º Poderão ser objeto de arquivo magnético apartado as operações em que haja ocorrido desfazimento do negócio ou que por qualquer motivo a mercadoria informada em arquivo não haja sido entregue ao destinatário, nos termos do § 1º da cláusula oitava do Convênio ICMS 57/95, de 28 de junho de 1995. (Redação dada ao parágrafo pelo Convênio ICMS nº 114, de 12.12.2003, DOU 17.12.2003, com efeitos a partir de 01.01.2004)

§ 5º A unidade federada de destino poderá exigir a apresentação de outras informações que julgar necessárias. (Parágrafo acrescentado pelo Convênio ICMS nº 78, de 13.09.1996, DOU 20.09.1996 e 23.09.1996)

§ 6º O sujeito passivo por substituição que, por 60 (sessenta) dias ou 2 (dois) meses alternados, não remeter o arquivo magnético previsto no inciso I do caput ou deixar de entregar a Guia Nacional de Informação e Apuração do ICMS - Substituição Tributária, poderá ter sua inscrição suspensa ou cancelada até a regularização, aplicando-se o disposto no § 2º da cláusula sétima. (Redação dada ao inciso pelo Convênio ICMS nº 31, de 18.06.2004, DOU 24.06.2004, com efeitos a partir da ratificação nacional)

14 - Cláusula décima quarta. Os Convênios ou Protocolos firmados entre as unidades da Federação poderão estabelecer normas específicas ou complementares às deste Convênio.

15 - Cláusula décima quinta. As unidades da Federação comunicarão à Secretaria Executiva da Comissão Técnica Permanente do ICMS COTEPE, que providenciará a publicação no Diário Oficial da União:

I - qualquer alteração na alíquota ou na base de cálculo da mercadoria sujeita ao regime de substituição tributária;

II - a não adoção do regime de substituição tributária nos casos de acordo autorizativo, até 30 (trinta) dias contados da data da sua publicação no Diário Oficial da União;

III - a adoção superveniente à manifestação prevista no inciso anterior, do regime de substituição tributária;

IV - a denúncia unilateral de acordo.

Parágrafo único. As disposições dos incisos III e IV somente obrigam o sujeito passivo por substituição ao seu cumprimento após o decurso de, no mínimo, 15 (quinze) dias, a contar da mencionada publicação no Diário Oficial da União.

(Cláusula acrescentada pelo Convênio ICMS Nº 79 DE 26/07/2013):

15-A - Cláusula décima quinta-A. As reclassificações, agrupamentos e desdobramentos de códigos da Nomenclatura Comum do Mercosul - NCM não implicam em inclusão ou exclusão das mercadorias e bens classificadas nos referidos códigos no regime de substituição tributária.

Parágrafo único. Até que seja feita a alteração do convênio ou do protocolo para tratar da modificação da NCM permanece a identificação de produtos pela NCM original do convênio ou protocolo.

16 - Cláusula décima sexta. Este Convênio entra em vigor na data de sua publicação no Diário Oficial da União, não se aplicando suas normas aos Convênios e Protocolos celebrados até esta data, exceto as contidas nas cláusulas terceira, sexta, sétima, décima e décima quinta e no inciso I da cláusula quinta. (Redação dada à cláusula pelo Convênio ICMS nº 51, de 31.05.1996, DOU 07.06.1996)

Fortaleza, CE, 10 de setembro de 1993.