Lei nº 9.424 de 24/12/1996


 Publicado no DOU em 26 dez 1996


Dispõe sobre o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério, na forma prevista no artigo 60, § 7º, do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, e dá outras providências.


Impostos e Alíquotas por NCM

O Presidente da República

Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Art. 1º. (Revogado pela Lei nº 11.494, de 20.06.2007, DOU 21.06.2007 , conversão da Medida Provisória nº 339, de 28.12.2006, DOU 29.12.2006 , com efeitos a partir de 01.01.2007)

Art. 2º. (Revogado pela Lei nº 11.494, de 20.06.2007, DOU 21.06.2007 , conversão da Medida Provisória nº 339, de 28.12.2006, DOU 29.12.2006 , com efeitos a partir de 01.01.2007)

§ 1º. (Revogado pela Lei nº 11.494, de 20.06.2007, DOU 21.06.2007 , conversão da Medida Provisória nº 339, de 28.12.2006, DOU 29.12.2006 , com efeitos a partir de 01.01.2007)

§ 2º. (Revogado pela Lei nº 11.494, de 20.06.2007, DOU 21.06.2007 , conversão da Medida Provisória nº 339, de 28.12.2006, DOU 29.12.2006 , com efeitos a partir de 01.01.2007)

§ 3º. (Revogado pela Lei nº 11.494, de 20.06.2007, DOU 21.06.2007 , conversão da Medida Provisória nº 339, de 28.12.2006, DOU 29.12.2006 , com efeitos a partir de 01.01.2007)

§ 4º. (Revogado pela Lei nº 11.494, de 20.06.2007, DOU 21.06.2007 , conversão da Medida Provisória nº 339, de 28.12.2006, DOU 29.12.2006 , com efeitos a partir de 01.01.2007)

§ 5º. (Revogado pela Lei nº 11.494, de 20.06.2007, DOU 21.06.2007 , conversão da Medida Provisória nº 339, de 28.12.2006, DOU 29.12.2006 , com efeitos a partir de 01.01.2007)

§ 6º. (Revogado pela Lei nº 11.494, de 20.06.2007, DOU 21.06.2007 , conversão da Medida Provisória nº 339, de 28.12.2006, DOU 29.12.2006 , com efeitos a partir de 01.01.2007)

Art. 3º. (Revogado pela Lei nº 11.494, de 20.06.2007, DOU 21.06.2007 , conversão da Medida Provisória nº 339, de 28.12.2006, DOU 29.12.2006 , com efeitos a partir de 01.01.2007)

Art. 4º. (Revogado pela Lei nº 11.494, de 20.06.2007, DOU 21.06.2007 , conversão da Medida Provisória nº 339, de 28.12.2006, DOU 29.12.2006 , com efeitos a partir de 01.01.2007)

Art. 5º. (Revogado pela Lei nº 11.494, de 20.06.2007, DOU 21.06.2007 , conversão da Medida Provisória nº 339, de 28.12.2006, DOU 29.12.2006 , com efeitos a partir de 01.01.2007)

Art. 6º. (Revogado pela Lei nº 11.494, de 20.06.2007, DOU 21.06.2007 , conversão da Medida Provisória nº 339, de 28.12.2006, DOU 29.12.2006 , com efeitos a partir de 01.01.2007)

Art. 7º. (Revogado pela Lei nº 11.494, de 20.06.2007, DOU 21.06.2007 , conversão da Medida Provisória nº 339, de 28.12.2006, DOU 29.12.2006 , com efeitos a partir de 01.01.2007)

Art. 8º. (Revogado pela Lei nº 11.494, de 20.06.2007, DOU 21.06.2007 , conversão da Medida Provisória nº 339, de 28.12.2006, DOU 29.12.2006 , com efeitos a partir de 01.01.2007)

Art. 9º. Os Estados, o Distrito Federal e os Municípios deverão, no prazo de seis meses da vigência desta Lei, dispor de novo Plano de Carreira e Remuneração do Magistério, de modo a assegurar:

I - a remuneração condigna dos professores do ensino fundamental público em efetivo exercício no magistério;

II - o estímulo ao trabalho em sala de aula;

III - a melhoria da qualidade do ensino;

§ 1º. Os novos planos de carreira e remuneração do magistério deverão contemplar investimentos na capacitação dos professores leigos, os quais passarão a integrar quadro em extinção, de duração de cinco anos.

§ 2º. Aos professores leigos é assegurado prazo de cinco anos para obtenção da habilitação necessária ao exercício das atividades docentes.

§ 3º. A habilitação a que se refere o parágrafo anterior é condição para ingresso no quadro permanente da carreira conforme os novos planos de carreira e remuneração.

Art. 10. Os Estados, o Distrito Federal e os Municípios deverão comprovar:

I - efetivo cumprimento do disposto no artigo 212 da Constituição Federal;

II - apresentação de Plano de Carreira e Remuneração do Magistério, de acordo com as diretrizes emanadas do Conselho Nacional de Educação, no prazo referido no artigo anterior;

III - fornecimento das informações solicitadas por ocasião do censo escolar, ou para fins de elaboração de indicadores educacionais.

Parágrafo único. O não cumprimento das condições estabelecidas neste artigo, ou o fornecimento de informações falsas, acarretará sanções administrativas, sem prejuízo das civis ou penais ao agente executivo que lhe der causa.

Art. 11. Os órgãos responsáveis pelos sistemas de ensino, assim como os Tribunais de Contas da União, dos Estados e Municípios criarão mecanismos adequados à fiscalização do cumprimento pleno do disposto no artigo 212 da Constituição Federal e desta Lei, sujeitando-se os Estados e o Distrito Federal à intervenção da União, e os Municípios à intervenção dos respectivos Estados, nos termos do artigo 34, inciso VII, alínea e, e do artigo 35, inciso III, da Constituição Federal.

Art. 12. O Ministério da Educação e do Desporto realizará avaliações periódicas dos resultados da aplicação desta Lei, com vistas à adoção de medidas operacionais e de natureza político-educacional corretivas, devendo a primeira realizar-se dois anos após sua promulgação.

Art. 13. (Revogado pela Lei nº 11.494, de 20.06.2007, DOU 21.06.2007 , conversão da Medida Provisória nº 339, de 28.12.2006, DOU 29.12.2006 , com efeitos a partir de 01.01.2007)

Art. 14. A União desenvolverá política de estímulo às iniciativas de melhoria de qualidade do ensino, acesso e permanência na escola promovidos pelas unidades federadas, em especial aquelas voltadas às crianças e adolescentes em situação de risco social.

Art. 15. O Salário-Educação, previsto no artigo 212, § 5º, da Constituição Federal e devido pelas empresas, na forma em que vier a ser disposto em regulamento, é calculado com base na alíquota de 2,5% (dois e meio por cento) sobre o total de remunerações pagas ou creditadas, a qualquer título, aos segurados empregados, assim definidos no artigo 12, inciso I, da Lei nº 8.212, de 24 de julho de 1992 .

§ 1º O montante da arrecadação do Salário-Educação, após a dedução de 1% (um por cento) em favor do Instituto Nacional do Seguro Social - INSS, calculado sobre o valor por ele arrecadado, será distribuído pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE, observada, em 90% (noventa por cento) de seu valor, a arrecadação realizada em cada Estado e no Distrito Federal, em quotas, da seguinte forma: (Redação dada ao caput do parágrafo pela Lei nº 10.832, de 29.12.2003, DOU 30.12.2003 , com efeitos a partir do 1º (primeiro) dia do exercício financeiro seguinte ao de sua publicação)

I - Quota Federal, correspondente a um terço do montante de recursos, que será destinada ao FNDE e aplicada no financiamento de programas e projetos voltados para a universalização do ensino fundamental, de forma a propiciar a redução dos desníveis sócio-educacionais existentes entre Municípios, Estados, Distrito Federal e regiões brasileiras;

II - Quota Estadual e Municipal, correspondente a 2/3 (dois terços) do montante de recursos, que será creditada mensal e automaticamente em favor das Secretarias de Educação dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios para financiamento de programas, projetos e ações do ensino fundamental. (NR) (Redação dada ao inciso pela Lei nº 10.832, de 29.12.2003, DOU 30.12.2003 , com efeitos a partir do 1º (primeiro) dia do exercício financeiro seguinte ao de sua publicação)

§ 2º. (VETADO)

§ 3º. Os alunos regularmente atendidos, na data da edição desta Lei como beneficiários da aplicação realizada pelas empresas contribuintes, no ensino fundamental dos seus empregados e dependentes à conta de deduções da contribuição social do Salário-Educação na forma da legislação em vigor, terão, a partir de 1º de janeiro de 1997, o benefício assegurado, respeitadas as condições em que foi concedido, e vedados novos ingressos nos termos do artigo 212, § 5º, da Constituição Federal.

Art. 16. Esta Lei entra em vigor em 1º de janeiro de 1997.

Art. 17. Revogam-se as disposições em contrário.

Brasília, 24 de dezembro de 1996; 175º da Independência e 108º da República.

FERNANDO HENRIQUE CARDOSO

Paulo Renato Souza